terça-feira, 30 de julho de 2013

Que os bons ventos nos levem de volta ao Grupo Especial!


A Estácio de Sá, uma das escolas de samba mais tradicionais do Rio de Janeiro, ausente do Grupo Especial desde 2007, aposta no enredo "Um Rio à Beira-Mar: Ventos do Passado em Direção ao Futuro" para voltar a brilhar entre as escolas especiais em 2015.
O enredo protagonizado pelos ventos que sopram do passado em direção ao futuro, conta a evolução histórica e cultural das cercanias do Porto do Rio... Aborda fatos relevantes da região desde a fundação da cidade porto-natural, os banhos de mar da Família Real, a formação da "Pequena África", a reforma de Pereira Passos e o Porto Maravilha - um porto que resgate o contato do carioca com "MAR" - inspirado na cidade-porto de Barcelona, na Espanha.

O tema que fora sugerido pela agremiação tem a criação e desenvolvimento do carnavalesco Jack Vasconcelos e do pesquisador Marcos Roza. Ambos em parceria pelo segundo ano consecutivo mostraram integração e criatividade ao conteúdo da sinopse do enredo.
Foto: Divulgação

Apesar do curto tempo para elaboração do text, Jack Vasconcelos foi brilhante percebendo, no processo de pesquisa e desenvolvimento da estrutura do enredo, a importância dos ventos, os acalantos que eles nos trazem a beira-mar. A partir daí tudo fluiu e consegui por todos os nossos sentimentos e intenções na sinopse do enredo. O resultado superou as expectativas e trouxe harmonia e confiança a todos os segmentos da escola e, sobretudo à nossa parceria.
A Estácio que já demonstrou a força da sua comunidade e um belíssimo trabalho plástico no último Carnaval, falar do Rio de Janeiro sob ótica da "poesia dos ventos" é primoroso. 

Sobretudo, a boa repercussão trabalho alimenta as esperanças de uma possível vitória, une todos ao verdadeiro compromisso que justifica todo esse esforço: honrar o "Pavilhão" da Estácio de Sá e realizar um excelente desfile no Carnaval 2014.

Luiz Carlos Bruno: 'O público vai se ver no desfile da Rocinha'



Luiz Carlos Bruno Foto: Divulgação - Alexandre Vidal
A Acadêmicos da Rocinha vai levar para a Avenida em 2014 o enredo "Do paraíso sonhado, um sonho realizado - sorria, a Rocinha chegou à Barra", que será desenvolvido pelo carnavalesco Luiz Carlos Bruno. A imprensa bateu um papo com o carnavalesco que contou como foi a escolha do tema.
"A escola já estava em contato com a câmara de comérico da Barra. Era uma projeto que já existia, me passaram, e a diretoria da escola achou interessante. Estou estudando o enredo ainda para desenvolvê-lo da melhor maneira possível, estamos vendo o melhor caminho", revelou Luiz.
Luiz Carlos falou também sobre o fato da escola não fazer disputa de samba para o próximo ano. "Não vai ter disputa de samba porque foi tudo muito recente, ficou muito apertado. Seria uma covardia pedir que fizessem os sambas. Poderíamos jogar todo nosso trabalho de pesquisa fora. Então a escola decidiu que não haveria concurso", disse Luiz que ainda não sabe como será feita a escolha para o próximo ano.
O carnavalesco adianta que foi pedido para que "pensasse na irreverência". "Tenho grandes possibilidades com esse enredo. Foi pedido que se pensasse na irreverência. Acho que a Rocinha faz parte do portal da Barra, então ela tem o direito de conhecer a Barra melhor do que todo mundo", complementou.
Luiz Carlos revela ainda que a comunidade recebeu bem a escolha do enredo. "Tenho certeza de que todos receberam bem o enredo. Nós já nos conhecemos e sabemos que vamos fazer um excelente Carnaval. A Barra tem mil e um caminhos e vamos escolher um caminho de empatia. O público vai se ver ali dentro, todo mundo vai se ver", finaliza Luiz prometendo que a Rocinha vai surpreender na Avenida.

Roberto Szaniecki fora do carnaval em 2014


Roberto Szaniecki

 Um artista longe do espetáculo. Após não ter seu contrato renovado com a Grande Rio, o carnavalesco Roberto Szaniecki não participará do Carnaval de 2014. Em conversa com o DIA na Folia, o artista afirmou que por uma escolha pessoal acabou aproveitando a saída da Tricolor de Caxias para dar uma pausa nos trabalhos carnavalescos para cuidar de sua saúde, já que sofre de diabetes.

"Decidi não fazer Carnaval neste ano. Precisei parar um pouco para colocar minha saúde em ordem, colocar minha vida nos trilhos. Estou há 20 anos nesta rotina, então estava precisando dar essa parada estratégica. Não adianta forçar a barra. Já estava muito cansado, não trabalho só com Carnaval, sou envolvido em muitos eventos e produzir tudo ao mesmo tempo acaba fazendo o corpo gritar. É a hora certa de dar uma descansada para poder colocar tudo no seu devido lugar", afirmou o carnavalesco.

Mesmo com a garantia de que não participará do Carnaval em 2014, os trabalhos de Szaniecki não estão totalmente parados. O artista segue desenvolvendo alguns projetos e garante que a ausência no espetáculo carioca não será muito prolongada.

"Essa parada é só neste ano mesmo, apesar de continuar fazendo outros eventos, mais em escritório. Quando estiver tudo em ordem estarei de volta ao Carnaval para 2015", afirmou.

Descendente de poloneses, Szaniecki começou seus trabalhos como carnavalesco principal em 1993, na Unidos da Ponte. No ano seguinte, o artista se transferiu para o Salgueiro e foi vice. Campeão apenas no Carnaval paulista, pela Gaviões da Fiel, em 1999, e Império de Casa verde, em 2006, Szaniecki se destacou na Grande Rio, onde foi o responsável por dirigir seis carnavais, o último em 2013, ficando com a 6ª colocação. Após se despedir da Tricolor de Caxias, o carnavalesco chegou a ser cogitado em algumas escolas para o próximo ano, mas a decisão do afastamento falou mais alto.

Jéferson Carlos, homem forte da gestão Ivo Meirelles na Mangueira, é contratado pelo Salgueiro


Jéferson Carlos
Depois de se afastar da Estação Primeira de Mangueira após o desfile de 2013, Jeférson Carlos, que foi diretor de carnaval da Verde e Rosa durante a gestão de Ivo Meirelles irá trabalhar na equipe de Dudu Azevedo no Acadêmicos do Salgueiro em 2014. Não se trata de uma comissão. Dudu Azevedo é o diretor de carnaval da Vermelho e Branco e Jéferson irá integrar a equipe responsável, entre outras coisas, pelo trajeto das alegorias do barracão até a concentração.

- Eu tenho uma equipe que trabalha comigo e que é responsável pelas alegorias. Da retirada do barracão até o retorno após o desfile. Essa equipe não trabalha só no dia do desfile. Desde agora já temos reuniões e fazemos um bate-bola bem legal com a harmonia, comandada pelo Siro, Jô e Tia Alda. Nos entendemos muito bem. O Jéferson é um grande amigo que encontrei no samba. Jogamos futebol juntos toda segunda-feira e resolvi convidá-lo para fazer parte da equipe. Estou tendo a oportunidade de ser, sozinho, o diretor de carnaval da escola, mas ninguém consegue fazer nada sozinho. Preciso dessa equipe. Ele é um cara jovem, competente e que compactua de diversas opiniões que também são minhas. Temos os mesmos ideais - explicou Dudu Azevedo, que irá para o terceiro carnaval consecutivo no Acadêmicos do Salgueiro.

Nascido e criado dentro da Estação Primeira de Mangueira, Jéferson Carlos já passou por diversos segmentos da Verde e Rosa e não esconde de ninguém o amor pela escola, mas como profissional do carnaval analisa a nova oportunidade.


- Eu amo carnaval. É a minha vida. Não conseguiria ficar fora... O Dudu me fez o convite e claro que aceitei, pois é um amigo, irmão e eu admiro muito o trabalho dele. Será uma grande oportunidade de aprender um pouco mais em uma escola também muito tradicional. Será uma experiência sensacional.

O Acadêmicos do Salgueiro levará para a Avenida o enredo ''Gaia - a vida em nossas mãos'', que será desenvolvido pelos carnavalescos Renato Lage e Márcia Lage. A Vermelho e Branco será a quinta escola a desfilar no domingo de carnaval.

domingo, 28 de julho de 2013

Mangueira se renova para 2014


Evelyn Bastos: Rainha de bateria nascida e criada em Mangueira. Entende de samba e de carnaval, segundo seu presidente.

Mangueira toma providências para se aproximar de novo de suas origens. E não falo sobre o surdo de marcação única – mas, bem que podia, as escolas estão muito genéricas hoje em dia. Não, não é bem isso, é a nova proposta do novo presidente, Chiquinho da Mangueira, que substitui a partir de agora Ivo Meirelles. Bem, não frisei a palavra nova(o) por acaso, é uma grande novidade, a começar pela equipe que tentará um título para a verde-e-rosa em 2014.

Pra começar a falar sobre isso, eu vou separar em tópicos, pois, tenho o que discorrer acerca do significado sócio-cultural de cada uma dessas principais atitudes (a meu ver analítico, problematizador – hein?! – e conspiratório). Bem, adianto-lhes que a nova política da escola de Cartola é voltar às origens, ou melhor, voltar ao que fez da Mangueira uma escola de personalidade própria e forte dentro do carnaval carioca e também do mundo. Vêm aí Evelyn Bastos, Carlinhos de Jesus e Rosa Magalhães. O trio promete, mas deixa eu dizer porque acho isso.
Carlinhos de Jesus: O coreógrafo das grandes ideias… só não pode planejar demais e não realizar direito na hora H.

Evelyn Bastos-> A rainha de bateria recém-nomeada é estudante de educação física, tem o aval da antecessora de sua antecessora, Renata Santos e já foi rainha do carnaval. Mas, o mais importante: Ela é cria da comunidade. Poxa, o chão da escola é a tradição e a tradição é o povo que faz desde sua fundação. Gostei do exemplo, já que carnaval virou cabide de emprego e vitrine pra quem paga mais pra aparecer e viver de imagem – mesmo que sem relevância alguma mesmo pro carnaval. Vamos maneirar no patrocínio, né? Enredos que nada dizem sobre a escola só porque tem um contrato recheado de grana é degradante e em nada representa a festa popular que deveria parecer para os turistas (já que pro povo mesmo, só a ilusão). Isso vale pra todas as escolas.

Carlinhos de Jesus e Rosa Magalhães-> Carlinhos já fez um grande trabalho em outros carnavais para a Estação Primeira (como não lembrar daquele balé Ópera do Malandro ou a arrepiante comissão com diversos saudosos baluartes do Samba? Só pra citar) e Rosa Magalhães dispensa apresentações, já que é multi – e atual – campeã do carnaval. Grandes nomes de talento comprovado pra trazer a Mangueira para as primeiras colocações, revigorar a paixão da comunidade e – francamente – disputar títulos.


Rosa Magalhães: A carnavalesca de tamanha sensibilidade que ficou famosa por desfiles criticados pela técnica excessiva, mas é a atual campeã falando sobre o povo do campo, pela Vila Isabel.

É como Monarco falou na Feira das Yabás de abril, em Oswaldo Cruz/Madureira, não adianta ter nome, tem que ter administração. Então, que a Mangueira dê exemplo para a Portela e outras grandes que se ofuscam em troca de patrocínio e não fazem carnavais memoráveis como antes. Fico muito feliz com a proposta de rainha de bateria da comunidade, a exemplo de Raissa, da Beija-Flor, que é cria e querida justamente por essa identificação que surge entre escola, rainha e comunidade. Modelos que desfilem em suas próprias passarelas. Falando em Beija- Flor, ela vem falando em Boni ano que vem, já sentiu (UIA!) a apelação, né? O carisma do homenageado engolindo tudo, como foi com Roberto Carlos. Por isso, torço para que a Mangueira tenha um grande êxito e que outras aprendam a escolher enredos, mesmo que patrocinados, de acordo com suas raízes e as próprias do carnaval. Nada mais de parafernálias tecnológicas sem cultura brasileira pra mostrar.
Escola que é escola respeita sua tradição e não deixa o estilista/designer aparecer mais que seu pavilhão, sua comunidade e seus artistas. Escola de samba não pode mais ser uma árvore que esqueceu sua raiz, já dizia Candeia nos anos de 1970.

Carnaval/RS: primeiras fantasias para desfile de 2014 são divulgadas


Se tem alas cujas fantasias costumam ser os maiores mistérios do quesito até perto dos desfiles oficiais, pode incluir baianas e bateria nessa lista. Mas, não para Imperadores do Samba.

A escola do Grupo Especial já apresentou dois croquis de figurinos que ajudarão a contar, na avenida, o enredo da vermelho e branco sobre o escritor Luis Fernando Verissimo.
A fantasia da bateria representa o "Amor ao Saxofone", instrumento que é uma de suas paixões, e as baianas são a "Velhinha de Taubaté", uma das mais célebres de suas personagens.
Croquis dos figurinos da Imperadores do Samba. Foto: Divulgação

Salgueiro recebe Grande Rio e Império Serrano em noite de festa


Passistas show do Salgueiro Foto: SRZD-Tatiana Perrota
A Acadêmicos do Salgueiro abriu suas portas, neste sábado, para receber as coirmãs Grande Rio e Império Serrano. A academia do samba ficou lotada e as cores vermelha, verde e branca deram o tom da festa.
A imprensa foi conferir de perto a festança e foi recebida pela presidente do Salgueiro, Regina Celi, que disse estar muito feliz em receber em sua casa outras agremiações.
A noite foi aberta com um conjunto de samba do Salgueiro. A bateria de Mestre Marcão assumiu o comando da festa e o Grupo Show, composto por passistas do Salgueiro, fez sua perfomance sob o comando do coreógrafo Carlinhos. Renata Paulo estava por lá e mostrou muito samba no pé. A Furiosa bateria de Mestre Marcão sacudiu a galera, inclusive a rainha Viviane Araújo, que não parava de tocar seu tamborim.
Cada escola levou sua bateria. A quadra virou uma verdadeira passarela e cada uma das escolas desfilou com seus segmentos, deixando o ambiente com cara de desfile oficial. Como dono da casa, o Salgueiro foi o primeiro a entoar seus sambas que marcaram história. O público caiu no samba. Um casal que veio diretamente de São Paulo representando a Águia de Ouro era o mais empolgado.
Bárbara Falcão e Alex Marcelino. Foto: SRZD-Tatiana Perrota
Por volta de 2h, o Império Serrano trouxe sua raiz e mostrou que é uma escola de história e consagração. Clovis Pê convocou os componentes e os segmentos realizaram suas apresentações na "passarela do Salgueiro". Passistas, baianas e o casal de mestre-sala e porta-bandeira, Bárbara Falcão e Alex Marcelino, deram um show de simpatia. O Império Serrano prestou uma homenagem ao grande mestre Dominguinhos, que morreu nesta semana, cantando um de seus maiores sucesso "Eu só quero um xodó".
Bateria da Grande Rio. Foto: SRZD-Tatiana Perrota
Quando o relógio apontou 3h, a bateria Envocada da Grande Rio abriu alas para que os segmentos da escola de Caxias dessem o seu show. A vermelha, verde e branca da Baixada compareceu em peso e abrilhantou a noite com um show que durou aproximadamente duas horas. Em comemoração ao aniversário de Mestre Ciça, a bateria tocou o parabéns para você. Emerson Dias, intérprete oficial da escola, não escondeu a alegria e empolgação em participar de uma festa tão bonita.
A noite foi espetacular e mostrou que, apesar da competição, a cordialidade e o respeito estão sempre presentes.

sábado, 27 de julho de 2013

Dezesseis sambas seguem na disputa da Caprichosos para 2014


O filtro já começa a diminuir. Dando sequência à escolha do hino para embalar a azul e branca de Pilares em 2014, a Caprichosos realizou sua segunda noite de disputa na quinta-feira. Na ocasião, mais duas parcerias da Chave Branca ficaram de fora, restando agora 16 composições no total.

O critério para apresentação dos sambas se manteve: cada parceria cantaria sua composição por três vezes: uma sem o acompanhamento dos ritmistas e outras duas com a bateria. Após anúncio da diretoria, as parcerias eliminadas foram de Bulla e companhia (Bulla, D. Minas, Luiz Careca, Bilico, Juarez Corrêa e Leozinho da Caprichosos) e Marcão Harmonia (Marcão Harmonia, Betinho Madureira, Beto Serpa, Anderson Bil e Jorginho Estrela Negra).

Na próxima quinta-feira (1º de agosto), as outras oito composições da Chave azul seguem a disputa. A Chave Branca, por sua vez, se apresenta na semana seguinte.

Permanecem na disputa:

Chave Branca
Aurélio Proença, Paulo Apparício, Mauro Speranza, Naldo da Carne de Sol, Mauro do Gato e Márcio do Swing
Noquinha, JB, Noca da Portela, Anderson Maia, Nelsinho e Diogão Pereira
Márcio Garcia, Sena, Gilson, Carlinhos Ouro Preto, Marcos Lauriano e Waguinho
Carlos Roberto, Matos, Pedro Paulo e Ho-Gim
Marcelo Marrom, Roberto Branco, Tomtom, Picolé da Beija-Flor, Pelé e Alfio Palazzo
Zé Carlos da Saara, Juares, Zero a Zero, Silvio do Toldo, Polako e Lorinho do Engenho
Jorge do Batuke, Jorge 101, Vitor Kacz, Robert Farrow, Ricardo Pança e Jorge Mathias
Torres de Pilares, Vanderlei Martins, Menezes de Pilares, Adalton do Pandeiro, Marcelo Lopes e Willian do Salão.

 Chave Azul:
Jorginho Moreira, Frank, Rafael Gigante, Victor Rangel, Max Colonna e Edinho de Pilares
Lee Santana, Eli Penteado, Geraldo Rodrigues, Zé Carlos, Fuc e Jurandir Terra
Sales, Édson baiga, Walter do Engenho, Renato de Pilares, Tuninho Farias e Farias do IAPI
Almir de Araújo
Galdino, Grande, Janjão, Queilo, Eduardo do Vilar e Marcelo JF
Sylvinho, Dudu Mendes, Tuil Pontes, Geraldo Filho e Claúdio Bacana
Xande de Pilares, Betinho de Pilares, Gilson Bernini, Dudu Botelho e Jassa
Nei Negrone, Marquinho Lessa e Ernani Missa

Do Facebook para o Carnaval: torcedor cria logo da Mocidade


Criador da logo da Mocidade. Foto: DivulgaçãoA logomarca do enredo "Pernambucópolis", da Mocidade, foi elogiada por muitos sambistas após ser divulgada. O que quase ninguém sabe é que a arte foi desenvolvida por um torcedor da escola, que postou na sua página do Facebook e despertou a atenção do carnavalesco Paulo Menezes.
Thiago Santos, de 32 anos, é publicitário e torcedor da verde e branca desde os 11. Ao ver a obra, Paulo Menezes percebeu que era exatamente o que imaginava e pediu apenas alguns ajustes. Thiago concretizou o pedido e cedeu a obra para a escola.
"Desde moleque sempre acompanhei e sempre tive vontade de trabalhar com Carnaval e foi uma surpresa e uma emoção muito grande criar a logomarca do enredo da Mocidade, que é minha escola do coração", disse Thiago.
Logo Mocidade. Foto: Divulgação

Rafaela Almeida sobre São Clemente: 'Serei uma rainha diferente'

A São Clemente está com a preparação para o Carnaval 2014 a todo vapor. A preta e amarela da Zona Sul vai levar para a Avenida Rafaela Almeida, filha do presidente Renato Almeida, como a sua nova rainha de bateria. A imprensa conversou com Rafaela que falou das expectativas para o próximo ano.



Com apenas 15 anos a musa ocupará o lugar deixado por Bruna Almeida, que neste ano anunciou na Avenida sua gravidez. "Na verdade foi tudo meio corrido. A Bruna anunciou a gravidez na Avenida e aí no dia seguinte já tinha saído várias reportagens falando que eu havia assumido. Eu fiquei meio perdida. Mas aí o tempo foi passando, nada foi oficializado pela escola até que meu pai, o presidente da escola, me chamou de rainha pela primeira vez na apresentação que fizemos no Salgueiro. Acho que nesse dia a ficha caiu e por enquanto está assim", disse Rafaela.
Rafaela conta ainda que nada foi oficializado e que a diretoria da escola não falou com ela diretamente sobre o assunto. "Eu serei a rainha da bateria em 2014, mas ainda não está oficializado. A divulgação será feita mais para frente".
Assumindo o posto, Rafaela será a rainha mais nova na Avenida em 2014. Empolgada com a oportunidade ela fala das expectativas para o próximo desfile. "Já desfilo na escola, mas tenho só 15 anos, então é uma sensação diferente. Minhas expectativas são as melhores. Não tenho esse corpo todo que as outras rainhas tem, eu sou uma menina ainda. Foi tudo de surpresa, mas com certeza vou dar o meu melhor. Serei uma rainha menininha. Sou apaixonada pela São Clemente, mas vou ser uma rainha diferente, não vou forçar para ser mulherão. Vou me cuidar, mas vou ser diferente", disse Rafaela que apesar da pouca idade demonstra convicção de como vai desenvolver seu trabalho a frente da Fiel Bateria.


Rafaela revela ainda que adorou o enredo escolhido pela escola e que achou "a cara da São Clemente". A agremiação vai levar para a Avenida o enredo "Favela".
A rainha de bateria falou também do envolvimento da família com o seu novo posto na escola. "Minha mãe se preocupa muito comigo, ela tem medo que alguma coisa possa me atingir, atingir a nossa família, então todos querem me proteger. Todos me apoiam muito e agora não vai ser diferente. A Bruna é minha prima e quando ela saiu eu chorei muito. Mas quando soube que assumiria o posto dela, ela me apoiou muito e isso foi muito importante para mim", complementou Rafaela.

Feijoada da Tia Surica no teatro Rival

Tia Surica. Foto: Divulgação
Há oito anos, Tia Surica, a simpática pastora da Portela, transforma o tradicional Teatro Rival Petrobras no quintal de sua casa recebendo integrantes da Velha Guarda da Portela e convidados especiais para uma tarde de samba e feijão! No dia 27, sábado, Tia Surica recebe Iracema Monteiro e o grupo Amigos da Portela.

 Com dez anos de carreira, Iracema Monteiro já participou de importantes projetos dedicados ao samba como Roda no MIS ( Museu da Imagem e do Som), ao lado de grandes nomes da MPB como Zézé Mota e Wanderley Monteiro.

 A cantora participa de várias rodas de samba pelo Rio de Janeiro como a do Candongueiro, em Niterói. Já na Lapa, reduto do samba no centro do Rio, comanda todo sábado o projeto Céu Aberto, onde recebe convidados especiais.

 É a famosa Feijoada da Portela no "quintal do Rival", a tarde mais esperada do mês. Famílias fazem reserva para sentir o gosto da tradicional feijoada, famosa no bairro de Madureira, embalada por sambas históricos com integrantes da escola de azul  e branca e muita animação sob a batuta da Tia Surica, que nos intervalos distribui brindes para a plateia.  O evento já virou até lugar preferido para comemorar aniversário. Nas carrapetas, DJ Alex anima a festa.

 Convidados ilustres como Monarco, Dona Ivone Lara, Neguinho da Beija-Flor, Dominguinhos do Estácio, Dudu Nobre, Teresa Cristina, Seu Jorge, Cordão da Bola Preta e integrantes de várias escolas de sambas do Rio de Janeiro já passaram pelo "quintal do Rival".


Serviço: FEIJOADA DA TIA SURICA - NOS INTREVALOS DJ ALEX
Dia 27 de julho,sábado, das 13h às 17h30
Rua: Álvaro Alvim, 33/37 - Cinelândia - Tel: 2240-4469


Preço:
R$  40 - (Feijoada + Roda de Samba)
Classificação: 16 anos
Capacidade: 458 lugares.

quinta-feira, 25 de julho de 2013

Carnaval/RS: enredo da Unidos de Vila Isabel


Presidente Cléber Tavares - Humberto Macedo/Baticumbum
A avenida vai, literalmente, virar passarela para a Unidos de Vila Isabel desfilar seu Carnaval 2014. Representante de Viamão no Grupo Especial de Porto Alegre, a escola falará sobre roupas e a evolução do tecido.
A pesquisa do tema, provisoriamente intitulado "História das Roupas na Passarela da Alegria", é de autoria de Sérgio Peixoto, presidente do Centro de Estudos de Tema-Enredo do RS (CETE), e será desenvolvido pelo carnavalesco carioca Sandro Rauly.
Bateria do Mestre Chiquinho - Humberto Macedo/Baticumbum
E para os compositores, atenção: a escola promoverá festival para escolher seu samba. O material para os interessados deve começar a ser divulgado a partir do dia 27 de julho.
*Fonte: Baticumbum


Estácio de Sá recebe União da Ilha e União de Jacarepaguá no Berço do Samba



 
A tradição dos ensaios festivos se mantém e para não ser diferente na próxima sexta-feira, a partir das 22h a Estácio de Sá estará realizando mais um encontro, contando com as participações especiais de agremiações coirmãs. A tricolor insulana com sua alegria, leveza e sambas memoráveis que marcaram época e a União de Jacarepaguá, uma das escolas mais tradicionais do carnaval carioca estarão se apresentando com casais de mestre-sala e porta-bandeira, intérpretes, ritmistas, passistas e demais integrantes.

A Bateria Medalha de Ouro, comandada por Mestre chuvisco abre os serviços, embalando os sambas antológicos interpretados por Leandro Santos e os cantores da Estácio de Sá. Os casais de mestre sala e porta-bandeira Daniel e Alcione e Marcinho e Roberta brindarão o público com o mais exuberante bailado, o rodopio mais belo das baianas, além da beleza da velha guarda e departamento feminino estaciano.

A entrada custará R$ 10. Mais informações através do telefone 2504-2883. A quadra da vermelha e branca fica na Avenida Salvador de Sá, 206/208 – Estácio.

Vila Isabel inaugura nova acústica da quadra com show do Roupa Nova



 
No próximo dia 09 de agosto, às 21h, a Unidos de Vila Isabel receberá mais um grande show em sua quadra de ensaios. Quem agita a Zona Norte desta vez é a banda Roupa Nova. Será o primeiro grande show com a nova acústica da quadra da Azul e Branco do bairro de Noel, que tem capacidade para receber cerca de oito mil pessoas.

Com mais de 30 anos de carreira sólida e repleta de sucessos, Cleberson Horsth, Ricardo Feghali, Kiko, Nando, Paulinho e Serginho Herval formam o Roupa Nova desde o início da gloriosa trajetória. O grupo tem como traço marcante a versatilidade musical de todos os integrantes e já lançou 22 CD´s, além de cinco DVD´s, alcançando a marca de cinco milhões de álbuns vendidos em toda a carreira. Em 2009, um desses álbuns – ‘’Roupa Nova em Londres’’ – ganhou o Grammy Latino na categoria Melhor Álbum Pop Contemporâneo Brasileiro.

O show faz parte da turnê ‘’Cruzeiro Roupa Nova’’, mesmo nome do DVD gravado em 2012, em que os músicos interpretam as canções num transatlântico. Sucessos como ‘’Dona’’, ‘’Coração Pirata’’, ‘’Começo , meio e fim’’, e ‘’Whisky a go go’’ são presença certa no espetáculo, que terá abertura da cantora Mira Callado e do DJ André Bolão.

A quadra da Unidos de Vila Isabel fica no Boulevard 28 de Setembro, 382, em Vila Isabel. Maiores informações: 2578-0077. Em setembro, no dia 06, será a vez do Grupo Revelação na quadra da atual campeã do carnaval.

Confira abaixo os preços dos ingressos para o show do Roupa Nova:

1º Lote
Pista – Inteira – R$ 80,00 / Meia: R$ 40,00*
Pista Vip – Inteira – R$ 140,00 / Meia: R$ 70,00*
Camarote p/ 15 pessoas– R$ 1.500,00

Venda antecipada:

Pontos de venda de ingressos:
- First Class Boulevard Rio Shopping ( Iguatemi), First Class Shopping 45,
- First Class Nova América, First Class Uruguaiana (R: Uruguaiana 14 Centro),
- Bilheteria da Quadra da Vila Isabel
- E  no site :www.ingressocerto.com

* Terão direito a meia-entrada: estudantes e idosos devidamente documentados, além das pessoas que levarem o flyer promocional do show na hora da compra do ingresso. O benefício da meia entrada só é concedido para os ingressos de Pista e Pista Vip

São Clemente tem favela? Tem, sim senhor!



Foto: Divulgação
"Ê ê ê ê Favela / Teu nome na vida do samba não pode morrer / Ê ê ê ê Favela / A infância tão bela que tive não posso esquecer"
Esses versos encheram meu coração de poesia. Era bem menino quando Clara Nunes irrompia pela casa seu canto emocionado para essa canção do mestre Candeia em parceria com Jaime. Os poetas se referiam à favela como um nome imorredouro no samba. Aprendi e apreendi essa afirmação como essência: samba é favela, e favela é samba. Os grandes poetas descerram do morro, os grandes sambas nasceram do morro. O samba é, por excelência, "a voz do morro". Doía-me o coração essa nova safra de compositores e intelectuais posudos tentando rebatizar a favela de "comunidade". A sociologia asséptica que só pensa em "limpar" termos, em "lavar" vocábulos com a intenção de "purificar" o estado natural das coisas. No caso do samba, o termo "comunidade" ficou tã genérico, tão lugar comum, tão destituído do único orgulho possível dessa gente marginalizada e oprimida - a sua vertente cultural. Eu sempre preferi obedecer a voz de Candeia: pra mim, samba é favela e favela é samba. Lembro ainda a bela voz de Jacyr da Portela, meu grande e saudoso amigo, com seu gogó privilegiado, cantando "Favela, favela / Tão bela, tão bela".
E aí nos vêm essa linda sinopse da São Clemente, que parece retomar sua linha histórica e conceitual, propondo um desfile que privilegia o lugar da favela no coração do samba. Vejam vocês, que primor: um enredo inteiro sobre esse tema! Que coragem, que audácia...que grandeza da São Clemente! Numa época em que favelas são chamadas de "comunidades", que enredos buscam engrossar o caldo de gente sem pertinência com o samba, de tanta necessidade de fazer média com temas que agradem os burgos políticos, a São Clemente vem com força nesse enredo de cunho popular.
E é um fato curioso, até. Porque a primeira escola de samba da zona sul (área mais nobre da cidade) é, ao mesmo tempo, uma escola de raízes encravadas no chão de morro, no chão de favela. Ali na favela Santa Marta, reduto e referência da escola. E esse enredo trará uma notável peculiaridade: estarão estreando como carnavalescos na avenida dois grandes artistas do teatro brasileiro - a encenadora Bia Lessa e o cenógrafo Gringo Cardia. Pressupõe-se um feliz casamento entre essas mentes inventivas dos palcos e a mais irreverente das escolas de samba. A direção da esxcola está de parabéns pela ousadia e pela inovação. Acho ue muito contribuirá para o engrandecimento do espetáculo. O processo criativo de Bia Lessa sempre privilegiou a interatividade e um conceito de instalação artística, razão pela qual tornou-se renomada expositora em bienais e museus com trabalhos muito intertessantes. Pode vir daí, em parceria com um dos melhores cenógrafos do país, a vocação para carnavalizar um tema.
Foto: Reprodução de InternetÉ importante que a São Clemente se reencontre (e o enredo propõe isso) com sua alma original. A exemplo do que propõe outra escola, a União da Ilha (com seu enredo sobre brinquedos), a escola amarela e preta da Zona Sul parece ter despertado para sua própria essência, numa sinopse que relembra seu espírito crítico, de profunda contestação social, consolidado na série antológica de enredos dos anos 80/90 criados por Carlinhos D'Andrade e Roberto Costa. Naqueles anos, a escola construiu uma reputação e firmou seu DNA em temáticas onde discutia problemas muito próximos da realidade do povo, como acidentes de trânsito ("Não corra, não mate, não morra - O diabo está solto no asfalto", 1984), dificuldade de moradia ("Quem casa quer casa", 1985), os males da saúde ("Muita saúva, pouca saúde, os males do Brasil são", 1986), o menor abandonado ("Capitães do Alfalto", 1987, com o belo e mais triste samba enredo da história dos desfiles) e a violência ("Quem Avisa amigo é", 1988), para citar alguns exemplos.
Espera-se que a São Clemente consiga fugir do estigma que hoje se impõe sobre quase todas as escolas, que escondem seus enredos sob o manto do "politicamente correto". Nessa linha, esperamos do debute clementiano desses criativos artistas na avenida que eles não se curvem aos apelos das politiquices nem façam propaganda das ações de pacificação e assistencialismo arranca-votos que andam sambando por aí. Que seja (e eu acredito que será) a São Clemente do "se essa onda pega, vá pegar noutro lugar"(1988), não a que leva novelas de uma só emissora para seu desfile na avenida.
Resgatar a poesia, a dignidade e a nobreza da palavra "favela" é um primor de escolha que a São Clemente nos deu, como alento, para esse 2014 que já se aproxima.
Com licença da nossa querida leitora Duquesa Dholores... vem aí a São Clemente..."a nobreza da favela em pessoa"!!!
Facebook Hélio Ricardo Rainho
Twitter @hrainho

Mestre Aílton sobre bateria da Mangueira: 'Coisas boas virão'




A Estação Primeira de Mangueira vai levar para a Avenida em 2014 o enredo "A festança brasileira cai no samba da Mangueira". A imprensa conversou Aílton Nunes, mestre de bateria da verde e rosa, que contou como estão os preparativos para o próximo ano e falou também sobre a troca do nome da bateria.
Ailton Nunes mestre de bateria da Mangueira. Foto: reprodução internet
"A ideia partiu da direção da escola. O grupo é o mesmo, em evolução sempre. Acredito que a gente possa melhorar. A gente não pode estagnar, por mais que já esteja em um nível aceitável. Quanto a mudar o nome ou slogan pra mim é indiferente. Voltando ao antigo slogan não muda nada no meu trabalho dentro do que a bateria já faz. E o próximo ano não vai ser diferente", disse Aílton, quando questionado a respeito da troca do nome da bateria para o slogan original "Tem que respeitar meu tamborim". O apelido "Surdo Um", atribuído à ala de ritmistas na gestão anterior deixa de ser usado por se tratar de uma marca pertencente ao ex-presidente e não à agremiação.
Aílton conta que os ensaios da bateria começaram no início do mês de julho. "Começamos no início do mês e agora só paramos depois do Carnaval", disse o mestre empolgado.
No ano de 2013 a Mangueira inovou levando para a Avenida duas baterias. Mestre Aílton revela quais as inovações que ele está preparando para 2014. "A inovação é uma coisa interessante, e a linha de raciocínio não mudou. Estamos pensando em formas, meios e condições para que possamos inovar e superar o que fizemos, sem perder a raiz, a simplicidade. É importante não perder a qualidade e o ritmo que já temos. Até o momento não tenho nada novo, mas assim que tudo estiver definido iremos divulgar. Mas podem ficar na expectativa do que vai acontecer porque coisas boas virão", disse.
O mestre da bateria da verde e rosa revela ainda o que achou do enredo e como vai aproveitá-lo dentro da bateria. "O enredo é ótimo porque o Brasil é um país rico. Falar sobre as festas do país não poderia ser melhor. Principalmente com a condição de trazer todos os ritmos e reproduzi-los dentro da bateria. Temos muito material de pesquisa e vamos tentar da melhor forma reproduzir na Avenida. Então, pra mim é ótimo", disse Ailton promentendo levantar a Avenida.

Beth Carvalho recebe alta após oito meses internada

Depois de oito meses internada no Pró-Cardíaco, em Botafogo, Zona Sul do Rio de Janeiro, a cantora Beth Carvalho recebeu alta nesta terça-feira. Em novembro do ano passado, Beth passou por uma delicada cirurgia na coluna e, há cerca de um mês, chegou a ser transferida para a Unidade de Tratamento Intensivo do hospital após uma breve piora em seu estado de saúde. Ainda não há previsão para a mangueirense voltar aos palcos.

Luis Carlos Magalhães: 'Planejamento para o carnaval'



 
Se tivesse que escolher uma coisa boa no carnaval passado, algo que, do meu ponto de vista, fosse merecedor de destaque especial, não hesitaria em apontar o novo rumo sendo seguido pelo Grupo de Acesso. Se é certo que houve boa dose de precipitação, medida radical, forte, tomada em única drágea, houve também elogiável ousadia de fazer as coisas acontecerem com determinação.

A escolha de gente certa para a “pilotagem” do novo momento fez o ponto de equilíbrio entre precipitação e a ousadia, trazendo à cena um resultado além do esperado. Mas isto agora ... é passado. O carnaval se aproxima, até aqui lentamente.

Agora o Papa vai embora, virá o sete de setembro que... bem vamos ver..., os sambas serão escolhidos e o CD lançado com a festa de sempre. E chegará dezembro com as cartinhas que serão recebidas onlinemente por tantos e todos os noéis do mundo. E 2014. Com ele a potencialização das angústias já sendo vividas pelas escolas do acesso. Que carnaval farão? Que carnaval deverão fazer? Que carnaval lhes será possível fazer? Que carnaval lhes será dado fazer?

Vamos às notícias...as velhas, primeiro. Até vésperas do último carnaval não se sabia, ao certo, o “quantum” cada escola disporia para se arrumar. As escolas de grupos menores comemoravam o acréscimo previsto enquanto as demais tratavam de se conformar com a manutenção de seus quinhões, isto na melhor das hipóteses. O carnaval chegou e, confesso, não sei direito como tudo ficou.

Se as escolas receberam o que contavam receber, se receberam mesmo ou se restou algum para depois. De uma maneira ou de outra, e considerando que o planejamento financeiro não tem sido marca de grande parte das escolas, fácil imaginar as ‘contas de chegar’, ‘acertos’ e ‘mágicas’ necessárias a colocar o carnaval na rua. E aí alguém dirá: Ah! é assim mesmo, parte em razão da precipitação, parte por conta da ousadia. Este ano não vai ser igual àquele que passou, certo?

E de lá para cá... quais foram as notícias? Será que a boa expectativa para o segundo capítulo vai água abaixo? O levante das ruas deu algumas estocadas nas finanças públicas. A considerar a posição assumida pela prefeitura, o rearranjo das planilhas do transporte público obrigará um deslocamento de prioridades sem que se saiba exatamente quais. Isto... até aqui, com o ano fiscal longe de terminar. Será o carnaval atingido?

A expectativa, renovada a cada ano, de entendimento entre as finanças municipais e as necessidades dos barracões parece ter sido adiada mais uma vez. Mais uma vez os recursos serão disponibilizados em cima da hora, em valores incertos e não sabidos, para desespero dos – poucos – planejadores das escolas e para potencializar a barafunda das escolas administradas em cima da perna.

É o segundo capítulo do novo momento das escolas do acesso. Se nadaram sobre ondas da incerteza no primeiro capítulo, agora neste segundo surfam nas mesmas e ainda mais caudalosas ondas. Nada mudou, diriam os otimistas. Otimistas que desconhecem novas notícias por vir.

Sobreviventes dos barracões das incertezas, oscilando no sai-não-sai ao sabor das obras do Porto Maravilha, as escolas leem aflitas as notícias  e esperando outras que teimam em não sair. Lembrar a Viradouro... chega a doer. Sem casa para retornar do desfile, três dias passados literalmente desabrigada, nas ruas, foi parar em uma metalúrgica dividindo o espaço com a Unidos de Padre Miguel.

E como será neste pós carnaval. As escolas têm a volta para casa garantida para os barracões de onde saíram? Ou terão seu retorno negado como à Viradouro? Ou receberão tardiamente a notícia que deverão retornar já para a Cidade do Samba II?

Para quem aposta, ou reza, para que no próximo pós carnaval sua escola volte já para a nova cidade do samba, lá no Sabão Português, periga escorregar feio. Dependendo do momento da notícia, da decisão, suas alegorias, construídas com vistas a um determinado tipo de obstáculo, terão que percorrer outros e imprevistos caminhos, sujeitos a outros e obstáculos com dimensões diferentes e só conhecidas após os carros já construídos.

Será que estou exagerando? Será exigir muito que o carnaval do Acesso seja pensado pela prefeitura com igual dimensão dada a outros eventos, proporcional à sua própria dimensão? Ou continuará, como sempre foi, pensado apenas um mês antes, tal como uma festa junina, decidida em cima da hora, na esquina de nossas casas...?
Comente:

Rainha de bateria da Mangueira vai para o carnaval do Japão



 
Evelyn Bastos, Rainha de Bateria da Mangueira e Rainha do Carnaval do Rio de Janeiro, embarcou nesta quinta-feira para o Japão, onde vai participar de vários eventos do carnaval na terra do sol nascente. Evelyn viaja com a equipe da Riotur, junto com o Rei Momo Milton Rodrigues e as princesas do carnaval. Além de representar a cidade do Rio com a Corte do Carnaval, Evelyn terá ainda um compromisso como rainha de bateria da Mangueira. Ela vai conhecer a escola de samba Saúde, da cidade de Yokohama, que tem as cores verde e rosa, em homenagem à Mangueira. Evelyn fica no Japão até o dia 3 de setembro. O Japão é um dos países com maior número de escolas de samba fora do Brasil e vive a temporada carnavalesca entre os meses de julho e agosto, no alto verão nipônico.
Comente:

terça-feira, 23 de julho de 2013

Porto da Pedra promove mais uma eliminatória de samba


Harmonia da Porto da Pedra. Foto: Ricardo Almeida
A Porto da Pedra realiza mais uma etapa do concurso para definir o hino oficial do enredo "Majestades do Samba: os defensores do meu pavilhão", na próxima sexta-feira.

O samba isncrito por Luiz Cláudio Cardoso foi o primeiro eliminado na última semana.
As obras da Chave B se apresentarão nesta sexta, dia 26, no Espaço Cultural Porto da Pedra. O evento ainda contará com o grupo Estrelato. Mulheres entram de graça até meia-noite. Depois, pagam R$ 5. Os homens pagam R$ 10.
Veja as parcerias que se apresentam esta semana, ainda sem a ordem de apresentação, que será definida mediante sorteio.
- samba 01: Paulinho Direito, Zé Carlos, Fabricio, Ed e Josias
-samba 05: Jorge Remédio, Dr. Jairo, Yuri do Tigre, Savero, Camarão, Maricá, Júnior
- samba 06: Zé Maria do Tigre, Marquinhos Coração, Vavá, Siqueira Junior e Oswaldo Barra
- samba 09: Vadinho, Fernando Macaco, Tião Califórnia, Jarrão e Alessandro Falcão
- samba 10: Chicão da universo, Toninho do Churrasco, Silas de Manilha, Foka do Pombal, Fávio Sanchef, Nem Mocidade
-samba 11: João Paulo, Padre Passos, Sidney Ribeiro, Peixe do Samba, Marciano, Sid GBB

Beija-Flor: 'Vamos ter grandes sambas na disputa', diz Veloso


A Beija-Flor de Nilópolis recebeu na última segunda-feira os sambas concorrentes para 2014. A imprensa  foi conferir como será o processo de escolha. "O processo será diferente esse ano. Estamos recolhendo os sambas hoje, eles serão divididos em chaves e lançados aqui na quadra no dia cinco de agosto", disse Gilson Dr. presidente da ala dos compositores.
Confira!
 Confira algumas fotos da entrega dos sambas:
Entrega dos sambas concorrentes na quadra da Beija-Flor. Foto: SRZD-Tatiana Perrota
Entrega dos sambas concorrentes na quadra da Beija-Flor. Foto: SRZD-Tatiana Perrota
Entrega dos sambas concorrentes na quadra da Beija-Flor. Foto: SRZD-Tatiana Perrota

Equipe da Amebras desmonta alegorias da Mangueira


Barracão Mangueira. Foto: DivulgaçãoUma equipe da Amebras (Associação das Mulheres Empreendedoras do Brasil) desmontou as alegorias do último desfile da Mangueira.
O trabalho, realizado por 15 artesãs e com duração de 40 dias, foi monitorado por Clébio Freire de Freitas.
Durante a desmontagem, foram ministradas três oficinas para integrandes da nova turma de adereços e chapelaria da Amebras, que está em andamento no barracão 7 da Cidade do Samba.
Clébio explicou que o trabalhou consistiu em desmanchar as alegoras, deixando tudo pronto para o Carnaval 2014. "Também serão reaproveitados materiais a serem usados, por exemplo, no desfile da Mangueira do Amanhã", disse.

segunda-feira, 22 de julho de 2013

Quadra da Portela é palco de prêmio dos melhores do Carnaval 2013


Valeska Popozuda e David Brasil. Foto: SRZDA quadra da Portela recebeu, no último domingo, a premiação dos melhores do Carnaval 2013, organizado pela coordenadora do Grupo MGTT, Loren Alexandre, e pelo Projeto Unidos pela Paz.
O evento contou com a presença de 98 grupos de bate-bolas e outras figuras representativas do Carnaval de rua. O troféu foi entregue aos melhores do Carnaval nos quesitos criatividade, desenvolvimento da arte e cultura do Carnval.
Viviane Araújo, David Brazil e Valeska Popozuda foram alguns dos premiados.
A coordenadora do Grupo MGTT, que faz a inclusão das turmas de bate-bolas e atua contra todos os tipos de discriminação e homofobia, deixou uma mensagem contra o preconceito: "Podemos ser felizes, cada um no seu segmento, cidadania e liberdade de expressão."
Troféus. Foto: SRZD


NOTÍCIAS POR EMAIL:

PESQUISAR