segunda-feira, 6 de junho de 2016

São Clemente: 'Onisuáquimalipanse', uma crítica à política atual? Rodrigo Trindade A São Clemente reuniu seus compositores, em seu centro cultural, na região central da cidade do Rio, na noite desta quinta-feira (2), para a divulgação da sinopse do enredo de 2017, que tem como título expressão curiosa: "Onisuáquimalipanse". É uma forma oralizada para a frase, em francês, "Envergonhe-se quem pensar mal disso". Foto: SRZD-Rodrigo Trindade - Clique e leia a sinopse do enredo de 2017 da São Clemente É mais uma temática da carnavalesca Rosa Magalhães, que promete dar ao desfile da São Clemente ano que vem uma "cara mais contemporânea", porém, revivendo o que ela sempre gostou: obras clássicas, como antigos palácios, e histórias de reis e príncipes. Transcrevendo, com base nas palavras da artista e na sinopse, o enredo de 2017 da São Clemente seria o seguinte: Por volta do século XVII, um príncipe seria nomeado rei após morte de seu pai. O jovem promissor teria vivido sua vida intensamente, inclusive com participações ilustres na arte e na música. Sua empreitada teria acabado lhe rendendo o apelido de "Rei Sol", por se destacar tanto. Mais tarde, Rei Sol se casaria. Dando prosseguimento aos seus afazeres como rei, contrataria um advogado, Nicolas Fouquet: este colocou em dia as finanças do país, fato que lhe rendeu uma promoção, foi nomeado superintendente das finanças do rei. Só que, ao mesmo tempo em que cumpria seu papel, tal superintendente acumulava riquezas e investia nas artes. Teria comprado muitas terras, propriedades, mas uma era especial para ele: um palácio próximo a Paris. Delegou a seus amigos artistas Lebrun, Levau e Le Notre a reforma total do local. Após reforma, preparou grande festa para o rei (seu "patrão") com muita comida e presença de convidados. O palácio chamava a atenção pela beleza, inclusive os chafarizes. De início, o rei teria ficado "deslumbrado", mas em seguida, em sã consciência dos altos gastos, mandou prender o superintendente das finanças, por "malversação" do dinheiro público. O rei, então, teria nomeado outro ministro, reunido outros artistas e construído um palácio ainda mais grandioso: Versailles. Vídeo - Confira o enredo de 2017, na explicação de Rosa Magalhães: 'Qualquer semelhança com fatos de outras épocas, é mera coincidência' Em bate-papo com a imprensa, a carnavalesca Rosa Magalhães afirmou que o título dado ao enredo foi proposital e que, embora a sinopse não denote de forma clara, há sim, um teor crítico na história. Seria uma crítica à situação econômica e política vivida atualmente pelo Brasil? Rosa não revelou detalhes. Ao SRZD, ela disse o seguinte: "É uma história que aconteceu pela metade do século XVII. O título do enredo foi proposital para despertar curiosidade. Mas de fato, a história aconteceu. História é história, mas não precisa ser o óbvio. De início, quando você lê, acaba pensando: que história louca, absurda. Mas depois, a gente acaba percebendo que vivemos isso", deu a dica. Foto: SRZD-Rodrigo Trindade Quanto à plástica, Rosa fez questão de revelar: "Teremos no desfile da São Clemente festas, jardins, chafarizes e tudo que tem direito. A história do palácio é bonita e pouca gente conhece. Quero dar uma cara mais contemporânea ao desfile", resumiu a carnavalesca. Parcerias terão que inscrever sambas dia 2 de agosto Após leitura da sinopse, a diretoria da São Clemente divulgou uma agenda de compromissos aos compositores. Também divulgou que as eliminatórias acontecerão sempre aos sábados, com início às 18h. Confira o que ficou decidido: - Tira-dúvidas de compositores: acontecerá em dois dias, 23 de junho e 21 de julho, no Centro Cultural São Clemente e vai contar com a presença da carnavalesca Rosa Magalhães, a partir das 19h. - Inscrição de parcerias e respectivos sambas: será na terça-feira, dia 2 de agosto, às 21h, na quadra da escola, na Av. Presidente Vargas. - Apresentação dos sambas e início da disputa: sábado, 6 de agosto. - Final de disputa: prevista para 8 de outubro, com três sambas a concorrer pelo hino de 2017. - Tanto a apresentação de sambas, quanto eliminatórias e final acontecerão sábado, com início às 18h e com término por volta das 23h30.

São Clemente: 'Onisuáquimalipanse', uma crítica à política atual?
Rodrigo Trindade

A São Clemente reuniu seus compositores, em seu centro cultural, na região central da cidade do Rio, na noite desta quinta-feira (2), para a divulgação da sinopse do enredo de 2017, que tem como título expressão curiosa: "Onisuáquimalipanse". É uma forma oralizada para a frase, em francês, "Envergonhe-se quem pensar mal disso".
Foto: SRZD-Rodrigo Trindade
É mais uma temática da carnavalesca Rosa Magalhães, que promete dar ao desfile da São Clemente ano que vem uma "cara mais contemporânea", porém, revivendo o que ela sempre gostou: obras clássicas, como antigos palácios, e histórias de reis e príncipes. Transcrevendo, com base nas palavras da artista e na sinopse, o enredo de 2017 da São Clemente seria o seguinte:
Por volta do século XVII, um príncipe seria nomeado rei após morte de seu pai. O jovem promissor teria vivido sua vida intensamente, inclusive com participações ilustres na arte e na música. Sua empreitada teria acabado lhe rendendo o apelido de "Rei Sol", por se destacar tanto. Mais tarde, Rei Sol se casaria.
Dando prosseguimento aos seus afazeres como rei, contrataria um advogado, Nicolas Fouquet: este colocou em dia as finanças do país, fato que lhe rendeu uma promoção, foi nomeado superintendente das finanças do rei. Só que, ao mesmo tempo em que cumpria seu papel, tal superintendente acumulava riquezas e investia nas artes. Teria comprado muitas terras, propriedades, mas uma era especial para ele: um palácio próximo a Paris. Delegou a seus amigos artistas Lebrun, Levau e Le Notre a reforma total do local.
Após reforma, preparou grande festa para o rei (seu "patrão") com muita comida e presença de convidados. O palácio chamava a atenção pela beleza, inclusive os chafarizes. De início, o rei teria ficado "deslumbrado", mas em seguida, em sã consciência dos altos gastos, mandou prender o superintendente das finanças, por "malversação" do dinheiro público. O rei, então, teria nomeado outro ministro, reunido outros artistas e construído um palácio ainda mais grandioso: Versailles.
Vídeo - Confira o enredo de 2017, na explicação de Rosa Magalhães:
'Qualquer semelhança com fatos de outras épocas, é mera coincidência'
Em bate-papo com a imprensa, a carnavalesca Rosa Magalhães afirmou que o título dado ao enredo foi proposital e que, embora a sinopse não denote de forma clara, há sim, um teor crítico na história. Seria uma crítica à situação econômica e política vivida atualmente pelo Brasil? Rosa não revelou detalhes. Ao SRZD, ela disse o seguinte:
"É uma história que aconteceu pela metade do século XVII. O título do enredo foi proposital para despertar curiosidade. Mas de fato, a história aconteceu. História é história, mas não precisa ser o óbvio. De início, quando você lê, acaba pensando: que história louca, absurda. Mas depois, a gente acaba percebendo que vivemos isso", deu a dica.
Foto: SRZD-Rodrigo Trindade
Quanto à plástica, Rosa fez questão de revelar: "Teremos no desfile da São Clemente festas, jardins, chafarizes e tudo que tem direito. A história do palácio é bonita e pouca gente conhece. Quero dar uma cara mais contemporânea ao desfile", resumiu a carnavalesca.
Parcerias terão que inscrever sambas dia 2 de agosto
Após leitura da sinopse, a diretoria da São Clemente divulgou uma agenda de compromissos aos compositores. Também divulgou que as eliminatórias acontecerão sempre aos sábados, com início às 18h. Confira o que ficou decidido:
- Tira-dúvidas de compositores: acontecerá em dois dias, 23 de junho e 21 de julho, no Centro Cultural São Clemente e vai contar com a presença da carnavalesca Rosa Magalhães, a partir das 19h.
- Inscrição de parcerias e respectivos sambas: será na terça-feira, dia 2 de agosto, às 21h, na quadra da escola, na Av. Presidente Vargas.
- Apresentação dos sambas e início da disputa: sábado, 6 de agosto.
- Final de disputa: prevista para 8 de outubro, com três sambas a concorrer pelo hino de 2017.
- Tanto a apresentação de sambas, quanto eliminatórias e final acontecerão sábado, com início às 18h e com término por volta das 23h30.
Foto: SRZD-Rodrigo TrindadeRodrigo Trindade

A São Clemente reuniu seus compositores, em seu centro cultural, na região central da cidade do Rio, na noite desta quinta-feira (2), para a divulgação da sinopse do enredo de 2017, que tem como título expressão curiosa: "Onisuáquimalipanse". É uma forma oralizada para a frase, em francês, "Envergonhe-se quem pensar mal disso".
Foto: SRZD-Rodrigo Trindade
É mais uma temática da carnavalesca Rosa Magalhães, que promete dar ao desfile da São Clemente ano que vem uma "cara mais contemporânea", porém, revivendo o que ela sempre gostou: obras clássicas, como antigos palácios, e histórias de reis e príncipes. Transcrevendo, com base nas palavras da artista e na sinopse, o enredo de 2017 da São Clemente seria o seguinte:
Por volta do século XVII, um príncipe seria nomeado rei após morte de seu pai. O jovem promissor teria vivido sua vida intensamente, inclusive com participações ilustres na arte e na música. Sua empreitada teria acabado lhe rendendo o apelido de "Rei Sol", por se destacar tanto. Mais tarde, Rei Sol se casaria.
Dando prosseguimento aos seus afazeres como rei, contrataria um advogado, Nicolas Fouquet: este colocou em dia as finanças do país, fato que lhe rendeu uma promoção, foi nomeado superintendente das finanças do rei. Só que, ao mesmo tempo em que cumpria seu papel, tal superintendente acumulava riquezas e investia nas artes. Teria comprado muitas terras, propriedades, mas uma era especial para ele: um palácio próximo a Paris. Delegou a seus amigos artistas Lebrun, Levau e Le Notre a reforma total do local.
Após reforma, preparou grande festa para o rei (seu "patrão") com muita comida e presença de convidados. O palácio chamava a atenção pela beleza, inclusive os chafarizes. De início, o rei teria ficado "deslumbrado", mas em seguida, em sã consciência dos altos gastos, mandou prender o superintendente das finanças, por "malversação" do dinheiro público. O rei, então, teria nomeado outro ministro, reunido outros artistas e construído um palácio ainda mais grandioso: Versailles.
Vídeo - Confira o enredo de 2017, na explicação de Rosa Magalhães:
'Qualquer semelhança com fatos de outras épocas, é mera coincidência'
Em bate-papo com a imprensa, a carnavalesca Rosa Magalhães afirmou que o título dado ao enredo foi proposital e que, embora a sinopse não denote de forma clara, há sim, um teor crítico na história. Seria uma crítica à situação econômica e política vivida atualmente pelo Brasil? Rosa não revelou detalhes. Ao SRZD, ela disse o seguinte:
"É uma história que aconteceu pela metade do século XVII. O título do enredo foi proposital para despertar curiosidade. Mas de fato, a história aconteceu. História é história, mas não precisa ser o óbvio. De início, quando você lê, acaba pensando: que história louca, absurda. Mas depois, a gente acaba percebendo que vivemos isso", deu a dica.
Foto: SRZD-Rodrigo Trindade
Quanto à plástica, Rosa fez questão de revelar: "Teremos no desfile da São Clemente festas, jardins, chafarizes e tudo que tem direito. A história do palácio é bonita e pouca gente conhece. Quero dar uma cara mais contemporânea ao desfile", resumiu a carnavalesca.
Parcerias terão que inscrever sambas dia 2 de agosto
Após leitura da sinopse, a diretoria da São Clemente divulgou uma agenda de compromissos aos compositores. Também divulgou que as eliminatórias acontecerão sempre aos sábados, com início às 18h. Confira o que ficou decidido:
- Tira-dúvidas de compositores: acontecerá em dois dias, 23 de junho e 21 de julho, no Centro Cultural São Clemente e vai contar com a presença da carnavalesca Rosa Magalhães, a partir das 19h.
- Inscrição de parcerias e respectivos sambas: será na terça-feira, dia 2 de agosto, às 21h, na quadra da escola, na Av. Presidente Vargas.
- Apresentação dos sambas e início da disputa: sábado, 6 de agosto.
- Final de disputa: prevista para 8 de outubro, com três sambas a concorrer pelo hino de 2017.
- Tanto a apresentação de sambas, quanto eliminatórias e final acontecerão sábado, com início às 18h e com término por volta das 23h30.
Foto: SRZD-Rodrigo Trindade

Império Serrano: 'Quis popularizar a linguagem da obra de Manoel de Barros', diz carnavalesco

Compositores e sambistas de todas as partes se reuniram na quadra do Império Serrano, em Madureira, para conhecer a sinopse do enredo "Meu quintal é maior do que o mundo". Escrito pelo carnavalesco Marcus Ferreira e pelos diretores de Carnaval Junior Fionda e Paulo Santi, o texto é o fio condutor da homenagem que a verde e branca, no Carnaval 2017, fará ao poeta Manoel de Barros, em razão de sua obra e centenário de nascimento.
Foto: Diego Mendes/Setor 1
De acordo com Junior Fionda, que é um dos diretores de Carnaval da agremiação, um importante encontro para discussão acerca do tema ocorreu na quarta-feira: "Fizemos um workshop sobre o enredo e, na ocasião, apresentamos um texto longo e detalhado, acompanhado de uma explicação sobre como deverá ser o desfile do Império", comentou.
Segundo o carnavalesco Marcus Ferreira - que divide a ideia de prestar o tributo a um dos ícones da literatura brasileira com o diretor de Carnaval Paulo Santi -, a sinopse foi escrita de forma a permitir o maior entendimento possível aos compositores: "Meu intuito foi popularizar a linguagem da obra de Manoel de Barros, porém, sem prejuízo da poesia, para que os compositores escrevam seus sambas conforme o que planejamos contar na Avenida".
Foto: Diego Mendes/Setor 1
Apesar da escolha de um personagem como inspiração para o seu Carnaval, a verde e branca, no entanto, não levará para a Sapucaí uma simples biografia ou representação das obras de Manoel de Barros: "Partimos da figura de Bernardo, que era uma espécie de capataz da fazenda do poeta, ou melhor, um feiticeiro, como Manoel dizia. Isso porque, Bernardo tinha uma ligação direta com a natureza. Assoviava e facilmente trazia os pássaros para si, por exemplo. A maneira como Bernardo se apropriava da natureza pantaneira, o quintal de Manoel de Barros, impressionava-o muito e motivou vários de seus versos", explicou o carnavalesco.
Mas ao contrário do que muitos devem estar pensando, o Carnaval 2017, para a direção da escola, não começou hoje, não, como salientou Rildo Seixas, um dos responsáveis pelo processo de modernização pelo qual passa o Império Serrano: "Os trabalhos no barracão começaram há bastante tempo. Os carros já estão todos desmontados, com o ferro lá embaixo e logo, logo começaremos a forrá-los com madeira. Queremos produzir nosso Carnaval com tempo e tranquilidade suficientes para que tudo saia como planejamos e o Império, enfim, seja campeão."

Conheça o título do enredo da Portela para o Carnaval de 2017

A Portela anunciou durante feijoada deste sábado (4) em sua quadra o enredo que levará para a Marquês de Sapucaí ano que vem: "Foi um rio que passou em minha vida e meu coração se deixou levar", uma homenagem a Paulinho da Viola. O tema é de autoria do carnavalesco Paulo Barros. Além de homenagear o compositor, a azul e branca pretende abordar as questões que permeiam a água.
Em 2016, a Portela conquistou o terceiro lugar com o enredo "No voo da águia, uma viagem sem fim...". Curiosamente, na comissão de frente, não faltou água. O público aplaudiu a escola, que saiu da Avenida aclamada. Vale lembrar que a Portela também conquistou o Prêmio SRZD Carnaval de melhor do Grupo Especial neste ano.
Foto: SRZD - Igor Gonçalves

NOTÍCIAS POR EMAIL:

PESQUISAR